segunda-feira, 21 de Abril de 2014

As 100 aves mais ameaçadas do mundo

As 100 aves mais ameaçadas do mundo

Aves como o dodo encontram-se já extintas, apenas conhecendo-se algumas imagens desenhadas. Nos últimos 5 séculos, devido à ação humana, a biodiversidade do planeta Terra já perdeu perto de 190 espécies, só de aves, por extinção. Atualmente existem muitas outras espécies em risco de extinção, sendo que a velocidade com que espécies, seja de aves, seja de outras classes, é muito maior do que era há dois ou três séculos atrás. Uma equipa de investigadores da Sociedade Zoológica de Londres e da Universidade de Yale, juntamente com outras instituições, avaliaram o risco de extinção de quase 10.000 aves, tendo destacado as 100 aves mais ameaçadas do mundo.

Neste grupo, a maioria são aves endémicas, ou seja, que apenas existem numa área ou local, estando por isso mais suscetíveis a ameças e mudanças de condições de habitat. De seguida conheça a lista das 100 aves mais ameaçadas do mundo.


Íbis gigante
Condor da Califórnia
Águia das Filipinas
Íbis de ombros brancos
Águia-serpente de Madagáscar
Coruja-pequena-da-Floresta
Coruja noctívaga da Nova Caledónia
Papagaio-mocho
Cagu
Bengal Florican
Grande cuco da Sumatra
Fregata da Ilha do Natal
Spoon-billed Sandpiper
Íbis-eremita
Plains-wanderer
New Zealand Storm-petrel
Mergulhão-de-touca
Maleo
Black-hooded Coucal
Íbis de São Tomé
Rufous Scrub-bird
Noisy Scrub-bird
Junin Grebe
Gavião-de-pescoço-branco
Congo Bay-owl
White-eyed River-martin
Abutre de cabeça vermelha
Secretário
Peruvian Diving-petrel*
Abutre do Egipto
St Helena Plover*
Australian Painted Snipe
Cuban Kite
Tooth-billed Pigeon
Nahan’s Francolin
Sulu Hornbill
Cegonha-de-bico-de-sapato
Pomba-espelho
Íbis-do-Japão
Sangihe Shrike-thrush
Jerdon’s Courser
Lesser Florican
Kokako
Rufous-headed Hornbill
Masked Finfoot
Bahia Tapaculo
Albatroz-das-Galápagos
Stresemann’s Bristlefront
Abibe-sociável
Eskimo Curlew
Maçarico-de-bico-fino
Bannerman’s Turaco
Ashy Storm-petrel
Siberian Crane
White-throated Storm-petrel
Juan Fernandez Firecrown
Jacamim-das-costas-verdes
Uluguru Bush-shrike
Polynesian Ground-dove
Sichuan Jay
Águia serpente da Montanha
Sulu Bleeding-heart
Galinhela-de-São-Tomás
Mindoro Bleeding-heart
Kaka
Negros Bleeding-heart
Black Stilt
Makira Moorhen
Great Indian Bustard
Atobá-de-Abbot
Kittlitz’s Murrele
Titicaca Grebe
Greater Adjutant
Western Bristlebird
Eastern Bristlebird
Shore Plover
Udzungwa Forest-partridge
Madagascar Fish-eagle
White-bellied Heron
Subdesert Mesite
Long-whiskered Owlet
Philippine Cockatoo
Spix’s Macaw
South Island Wren
Crow Honeyeater
Northern Brown Kiwi
Banded Ground-cuckoo
Flores Hawk-eagle
Tachira Antpitta
Beck’s Petrel
Cebu Flowerpecker
Blue-eyed Ground-dove
Javan Trogon
Pulitzer’s Longbill
Alagoas Antwren
Pernambuco Pygmy-owl
Jamaica Petrel
Grenada Dove
Wood Snipe
Rio de Janeiro Antwren



segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Conheces este animal? - Gaio (Garrulus glandarius)

Características, reprodução, alimentação e distribuição do Gaio (Garrulus glandarius)
Luc Viatour / www.Lucnix.be

Nome: Gaio (Garrulus glandarius)


Características: O gaio é um animal de dimensões médias, cerca de 35cm de comprimento e 58cm de envergadura. É uma ave florestal que gosta particularmente de imitar o canto e o chamamento de outras aves. Em relação à plumagem esta é uma ave bastante colorida, apresenta uma coroa alistada de cinzento e branco, com uma facha preta que se assemelha a um bigode, o peito e a barriga apresentam uma tonalidade castanho rosada e as asas são pretas com uma barra branca larga, uma parte da cobertura é azul com riscas pretas. O uropígio é branco e a cauda é preta. O bico é preto, curvo e forte.


Alimentação: Em relação à alimentação, este é um animal omnívoro, uma vez que se alimenta de invertebrados nomeadamente escaravelhos, larvas, frutos e sementes. Durante a época de verão alimenta-se sobretudo nas árvores, e nas restantes alturas do ano alimenta-se essencialmente no solo.

Características, reprodução, alimentação e distribuição do Gaio (Garrulus glandarius)
Hans-Jörg Hellwig


Reprodução: A época de reprodução deste animal inicia-se com a construção do ninho no início da primavera. O ninho é construído em arbustos ou árvores e os gaios utilizam sobretudo folhas, musgos, ervas e pequenos galhos para efetuar a construção. Por volta do mês de abril, começam a postura de 5 a 7 ovos e de seguida a fêmea procede à sua incubação por um período de cerca de 17 dias. Após o nascimento das crias, os progenitores alimentam-nas por um período de 21 dias, ao fim do qual estão prontas para abandonar o ninho.


Distribuição: Esta ave está distribuída por todo o Paleártico, desde o norte de África até à Europa e ao leste do Japão. Em Portugal esta ave pode ser encontrada um pouco por todo o país, no entanto, é mais abundante no norte e no centro, nomeadamente em florestas, bosques e jardins.

quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Caverna Voronya - o maior abismo terrestre


Uma caverna é uma cavidade rochosa debaixo do solo, com tamanho suficiente para um homem poder aí movimentar-se. Uma caverna é formada ao longo de milhares de anos, através de vários fenómenos químicos, biológicos, atmosféricos ou tectónicos. Pode também ser formado através de fenómenos sísmicos. Existem cavernas de variados tamanhos, comprimentos e profundidades, mas nenhuma bate a caverna Voronya, também conhecida como caverna Krubera-Vorónia. 




A caverna Voronya é o maior abismo terrestre do mundo, atingindo a profundidade de 2,191 metros. Situa-se no Maciço Arabika, na Abecásia, na zona do Cáucaso. A caverna Voronya foi descoberta por descobridores georgianos em 1960, tendo feito uma exploração inicial que os levou até aos 180 metros de profundidade. Ao longo dos anos, com as contínuas expedições aos confins da caverna Voronya, chegou-se à marca atual dos -2,191 metros. Até hoje, a maior profundidade atingida por ser humano foi alcançado por uma russo-ucraniana, ao chegar aos -2080 metros.


Apesar desta profundidade ser a máxima profundidade conhecida em terra, nos oceanos existe um abismo muito maior, sendo possível descer mais de 11.000 metros abaixo do nível do mar. Este abismo, o maior abismo conhecido em todo o planeta, chama-se Fossa das Marianas, e fica no oceano Pacífico. 

Fotos retiradas de www.anatoliamed.com







segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Conheces este animal? - Cabra-montês (capra ibex)


Características, alimentação, reprodução e distribuição da Cabra-montês (capra ibex)
Foto de Karsten Dörre 

Nome: Cabra-Montês (Capra ibex)


Características: A cabra montês é um animal selvagem e de grandes dimensões. Apresenta uma altura de cerca de 75cm no dorso, um comprimento de 145cm e um peso aproximado de 70 a 100Kg. A cauda pode chegar aos 15cm de comprimento. Apresenta o corpo coberto de pelo com uma tonalidade parda. Na cabeça exibe chifres estriados e curvados para trás. As fêmeas são de menores dimensões e desprovidas de chifres. É um dos animais mais vigorosos e de maiores dimensões das regiões montanhosas. Vivem em pequenas manadas constituídas por fêmeas, crias e machos jovens. Os machos adultos vivem separados, de forma mais solitária, juntam-se apenas na época de reprodução.


Alimentação: Em relação à alimentação, esta espécie alimenta-se de plantas da alta montanha, de musgos e da pequena vegetação que encontra entre as pedras.


Reprodução: A época de reprodução deste animal inicia-se nos meses de outono e as crias nascem, regra geral em maio e junho. Após o nascimento as crias ficam ao cuidado das progenitoras, já que o macho gosta de uma vida mais solitária.

Características, alimentação, reprodução e distribuição da Cabra-montês (capra ibex)


Distribuição: Esta espécie habita as regiões montanhosas dos Alpes e dos maciços europeus, nomeadamente nas margens da bacia do mediterrâneo, em zonas de vegetação dispersa, de rochas e de pedras soltas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ajude-nos a divulgar o nosso blog. Clique no botão abaixo.